Desejo não é pecado

“Amor é o desejo irresistível de ser irresistivelmente desejado.” (*Robert Frost)

segunda-feira, 28 de abril de 2008

Tristão e Isolda

















Para aquilo em que acredito não gosto de dar nomes...mas gosto de sentir.Não posso controlar o que meu coração sente...posso no máximo escolher os caminhos. Difícil dizer algo de mim se você não tivesse surgido na minha vida. “É uma flecha que penetra pelos olhos, e crava-se no coração, incendeio-o, traz-lhe o fogo do desejo”.
Vou buscar fora de mim explicações, Tristão e Isolda, a história de um jovem casal que, após encontrar-se de forma inusitada, apaixona-se, mas se depara com diversos obstáculos políticos e sociais para permanecer juntos.Tristão ganhou esse nome porque sua mãe encontrava-se em profunda tristeza pela morte de seu marido quando ele nasceu.
Conhece Isolda quando esta cuida de suas feridas após uma batalha. Isolda era prometida a outro homem, porém acabam se apaixonando um pelo outro após tomar uma poção mágica. Tristão vence uma batalha por seu senhor cujo prêmio é a mão de Isolda. Então ela se casa com esse senhor e Tristão quase morre de tristeza... Porém a paixão faz com que Tristão e Isolda arrisquem tudo para viver seu amor proibido.












Pára!
(Mathilde Wesendonck)

Roda o tempo, que ruges e murmuras,
Medidora da eternidade;
Esferas luzentes no vasto todo,
Que rodeais o mundo;
Criação eterna, pára,
Basta de devir, deixa-me ser!
Sustém-te, força geradora,
Ideia original, criador eterno!
Detém a respiração, cala o teu impulso,
Fica em silêncio só por um minuto!
Pulsos inchados, reprimi as pancadas;
Acaba, eterno dia do querer!
Para que em doce e abençoado esquecimento
Eu possa apreciar toda a felicidade!
Quando os olhos nos olhos bebem docemente,
E a alma se afunda completamente na alma;
Quando o ser no ser se reencontra,
E se anuncia o fim de toda a esperança;
Os lábios emudecidos num silêncio maravilhado,
E o mundo interior nada mais deseja:
O homem reconhece o sinal da eternidade,
E descobre o teu enigma, ó santa natureza

P.S.: Um dos poemas que inspirou o compositor Richard Wagner na composição de sua Ópera “Tristão e Isolda”

2 comentários:

Ada disse...

pena que abandonastes este blog... coloqui o link no meu..mas creio que tenhas outro para me indicar? beijo

Miguel Eibel disse...

Boa tarde!
Gostei de teu blog
Parabéns!
Também tenho um e te convido para dar uma olhada!
Tudo de bom e uma bela e produtiva semana!

http://migueleibel.blogspot.com