Desejo não é pecado

“Amor é o desejo irresistível de ser irresistivelmente desejado.” (*Robert Frost)

quarta-feira, 30 de março de 2011

A girafa e o anão


Se isso não é amor o que mais pode ser? Os dois estavam num desses bares da moda, a música eletrônica alta rolando e todo mundo se divertindo com a badalação. Tanta gente bonita, bem arrumada, clima de azaração e vários perfumes no ar. Ela não era muito de beber. Entre as amigas da mesa ela bebia um chope, estava no segundo e com certeza não passaria do terceiro. Ele não, estava de pé numa roda de amigos, bebendo pra caramba, é um desses quase sem limites.Já estava na quarta vodka com energético e com certeza chegaria a oito, quiçá a dez.Naquela hora da noite, meia-noite e vinte, cada um estava de um lado da casa noturna , que aliás se chama “Pink Elephant” , ele dançando e paquerando as garotas, ela sentada e conversando com as amigas de longa data.E tudo que se parece improvável quando acontece é que dá esse caráter tão saboroso a vida, o mistério, o espanto, a surpresa.
Era umas duas e meia, talvez duas e quarenta e cinco. Quando ele foi ao bar pegar sua oitava vodka com energético. A mesa dela era pertinho do bar e ele já bem tonto sem querer esbarrou nela.A moça achou graça, soltou um sorrisinho.Mas pare ele, já bêbado, aquilo foi como um convite, quase uma senha.- Oi! Adorei seu sorriso - Ela enrubesceu na mesma hora, não esperava uma abordagem assim tão rápida e que a deixasse desprevenida. E tudo que ele falou em seguida foram coisas engraçadas. As amigas que estavam na mesa quase nem perceberam que o rapaz estava lá cantando a moça.E ela ria, ria e ele gesticulava com as mãos, fazia graça, os dois pareciam que estavam entrando um na vibração do outro.Ela lá sentada e ele de pé.
Um das moças queria ir embora e foi quando ela se levantou é que foi mais engraçado ainda. A moça tem seu metro e setenta e oito. Ele? Bem menos que isso, talvez uns quinze, talvez uns dezoito centímetros a menos. Mas reagiu bem rápido no gatilho, como se estivesse no velho oeste:
- Nossaaaaaa isso tudo é para mim??? – Ele nem era tão auto-confiante assim, deve ter sido a vodka que o deixou corajoso, e agiu de maneira tão natural que a mesa toda riu. E ela então o achou muito “fofo”. Nem ligou que ele ficava baixinho do lado dela. Empolgado e se sentindo confiante ele ainda soltou outra frase ontológica:
- Notou que sou compacto né? Mas é que sou um homem moderno, a primeira vista pareço pequeno, mas quando você me conhecer melhor eu vou te mostrar todo meu valor agregado!
E ela se encantou por ele. Foi uma paixão ao primeiro encontro, estão juntos a mais ou menos uns três anos , adoram brincar um com o outro, pois Ele chama ela de Avatar porque é tão alta quanto os personagens daquele filme.Ela chama ele de Smurf, e fala assim: “Já que é pra ser azul, se eu sou seu Avatar você é meu pequeno Smurf!”,diz lembrando daquele desenho “Os Smurfs”.
- Vem cá minha Girafa!
- Já vou meu anão, chaveirinho gostoso!
Eles brincam o tempo todo um com o outro, adoram ficar dançando por aí , em qualquer lugar, e ela ainda coloca salto, fica altíssima, as amigas vivem brincando com ela e dizendo: “Esse teu namorado deve ser muito gostoso, para você não se importar com a altura dele.E ela sempre responde: “ Na horizontal a medida dele é outra!”
Por onde vão chamam a atenção, porque são duas pessoas diferentes que se amam, porque formam um casal incomum.

3 comentários:

Tutti disse...

hahaha! muito bom!!
me fez lembrar um provérbio: "Na cama não há altura, o que importa é uma .... dura!"
Amor realmente não tem medidas.

Andre Luis Aquino disse...

Adorei esse provérbio, acredita que nem conhecia?

Vitória. disse...
Este comentário foi removido pelo autor.